quem somos

prazer, andressa!

O mundo abre as portas para quem sabe aonde vai. quem sabe aonde vai.

Nasci e cresci em Foz do Iguaçu, mas deixei a casa da minha mãe ainda muito nova, com 16 anos. Fui em busca do meu grande sonho na época que era cursar engenharia.

Em 2011, quando eu já estagiava e a minha situação financeira estava melhor, fiz meu primeiro mochilão junto com uma amiga para a Bolívia e Peru. Hoje eu acredito que aquele foi o primeiro passo para as mudanças que vieram depois.

Ainda durante a faculdade eu fiz uma entrevista para uma vaga que eu queria muito, mas levei um não antes mesmo de sair pela porta por não falar nada de inglês. Decidi então juntar uma grana e fazer o meu primeiro intercambio para estudar o idioma. A experiência durou 6 meses e durante esse tempo eu tive certeza que era aquilo que eu queria: conhecer o mundo!

Mas quando voltei para o Brasil, tive depressão. Foi um processo doloroso voltar, eu não conseguia me encaixar. Mas eu precisava me formar e naquele momento não sabia como poderia fazer para voltar para a Europa. Eu não tinha dinheiro, não tinha cidadania e não conhecia nenhuma oportunidade que pudesse me levar de volta. 

O tempo foi passando e o sonho de morar fora ficou guardado por todos esses anos, desencorajado pela falta de dinheiro e de achar que aquilo não era para mim. Quando completei 27 anos, mesmo com certa estabilidade, eu sentia que não estava no lugar certo. Foi quando uma amiga me falou da AIESEC. Eu não sabia muito como funcionava, mas pesquisando aqui e ali, apliquei para diversas vagas e em um mês eu estava com uma carta oferta de uma empresa em Budapeste.

Eu mal sabia que essa não seria uma experiência de apenas um ano. Essa oportunidade me abriu as portas e pude ingressar no mercado de trabalho internacional, conquistando logo após um trabalho na minha área e na Alemanha, mesmo sem falar alemão.

Hoje eu já morei em + de 3 países na Europa, sou pesquisadora nesse tema de oportunidades internacionais e dedico a minha vida para ajudar outras pessoas a morarem fora e alcançarem seus objetivos também!

prazer, malu!

O conhecimento afasta o medo.  o medo. 

Nasci em Curitiba, mas cresci em Quitandinha, no interior do Paraná. Desde os meus 9 anos eu já ajudava a minha mãe na mercearia dela. Conforme eu fui crescendo, comecei a dividir o meu dia entre a mercearia, estudar mecânica no SENAI a tarde e concluir o ensino médio a noite. Foi uma época de muito estudo e trabalho.

Junto com os estudos no SENAI, eu entrei para um programa de jovem aprendiz em uma multinacional. Estar naquele ambiente foi essencial pra mim. Eu fui crescendo muito dentro da empresa – profissional e pessoalmente. Era uma menina de um metro e meio, no meio de uma equipe majoritariamente masculina, enfrentando muitos desafios. Nessa época eu conheci pessoas que já tinham morado fora, que falavam outros idiomas e tinham feito faculdade de engenharia. Aquilo era um mundo novo pra mim. 

Quando terminei o ensino médio eu não consegui passar na universidade que eu tanto queria, então decidi, junto com uma amiga, estudar inglês. Nos matriculamos numa escola e saímos do zero ao avançado em um ano e meio. Como fizemos o curso em tempo recorde e com boas notas, o diretor da escola nos deu uma bolsa para estudar no Canadá. Conhecer Vancouver era o nosso sonho. 

O intercâmbio foi essencial para ganhar confiança para falar, acreditar em mim mesma e ter uma certeza: eu queria morar fora. Quando voltei pro Brasil comecei a ocupar espaços diferenciados na empresa, já que agora eu dominava o inglês. Isso me trouxe muita visibilidade, o que era muito maravilhoso. 

Mas um novo sentimento me tomou. Eu tinha um salário bom, um plano de carreira, estava estudando engenharia, mas nada disso fazia mais sentido. Com o passar dos dias eu via que não queria mais estar ali e acordava todos os dias chorando para trabalhar. Foi quando eu pedi demissão. A empresa não esperava, mas eu estava decidida. Para me manter financeiramente comecei a dar aulas particulares de inglês e quando eu percebi, eu estava ganhando o dobro do que eu ganhava na multinacional. 

Mas eu ainda não tinha condições de me manter por um período longo fora do país ou pagar uma faculdade. Eu tinha muito medo de dar errado e ser apenas um sonho meio doido e distante. Mas eu não queria deixar esse sonho engavetado. Então eu comecei a pesquisar sobre todas as formas possíveis de morar fora e conheci a AIESEC. Apliquei para diversas vagas na minha área mas recebi inúmeras negativas. Não contente com o resultado, apliquei para uma vaga no financeiro de uma empresa. Mais uma vez eu fui surpreendida: me chamaram para a entrevista. Estudei muito para agarrar essa oportunidade e passei. 

Embarquei para a Hungria, fui efetivada e conheci mais de 10 países, apenas durante o período de estágio. Agora eu quero ajudar outras pessoas a viverem os seus sonhos, assim como eu estou vivendo o meu. 

cOMEÇAMOS UM NOVO CAPÍTULO!

Queremos deixar um legado e mudar vidas!

Em 2021 nós saímos do CLT para empreender, fundamos a Turney e assumimos uma vida nômade. Pelas redes sociais você consegue descobrir em que lugar do mundo estamos e quais são os nossos próximos passos.

Nosso propósito é ajudar outras pessoas, que assim como nós, tem o desejo de mudar de vida, construir uma carreira internacional e viver com mais liberdade, segurança e claro, ganhando em moeda forte.

Sabemos que é possível realizar o seu sonho de morar fora porque vivemos isso na pele e agora, queremos facilitar o seu caminho. Se esse é o seu desejo, vem com a gente! 

Conheça o nosso time!

Yeda Maria | mentora e suporte ao cliente

Paraibana, 27 anos.  Largou o curso de computação para se jogar no programa Global Talent da AIESEC na Hungria, onde trabalhou como Customer Support em uma empresa indiana e foi efetivada.

Voltou ao Brasil para começar uma nova faculdade e depois de concluída, retornou para a Hungria. Dessa vez atuando em uma multinacional americana como suporte de vendas internas. Atualmente ela é mentora e também lidera o nosso time de Suporte ao Cliente, ajudando os nossos alunos a conquistarem o sonho de morar fora! 

 



AMANDA DUTRA | GESTORA DE COMUNICAÇÃO E COMUNIDADES

Catarinense, 23 anos. Ainda quando cursava faculdade de Engenharia Civil no Brasil, fez um intercâmbio em Lisboa e assim teve certeza do seu desejo de morar fora. 

Depois disso, ela voltou ao Brasil para se formar e começou a trabalhar com gestão da comunicação através das redes sociais, e também com a gestão de comunidades.

bruna carvalho | produtora criativa

Brasiliense, 28 anos. Formada em educação física. Exerceu a profissão como Personal Trainer durante alguns anos, mas ao 26 decidiu fazer um mochilão para 6 países da Europa, foi assim que descobriu que gostaria de morar fora. 

Voltou para o Brasil e começou a traçar um plano para sair do país. Mesmo com a pandemia, realizou o seu sonho em julho 2021. Hoje mora em Londres, estuda inglês e trabalha como produtora criativa na Turney. 

Nós te ajudamos a mudar de vida!